terça-feira, 5 de maio de 2009

Sempre Tive Debilidade à Candida Albicans sem Saber

Na realidade os médicos nunca entenderam as minhas reacções mesmo no pós-parto ou durante a gravidez, meus filhos nasceram sempre de cesariana, eu passava mal toda a gravidez e após a cesariana, tinha sempre de ser entubada, meu intestino nunca funcionava e eu sofria horrores e sempre em risco de vida. A seguir coloquei no útero um aparelho para não engravidar, tive logo complicações e teve de ser retirado. Usei lentes de contacto e comecei a fazer úlceras constantes, tive de deixar de usar. Finalmente coloquei uma ponte nos dentes e passei a viver um autêntico tormento e a fazer infecções. Isto para não falar quando resolvi colocar uma anilha para laqueação das trompas para não ter mais filhos, pois chegava-me de problemas... Pensava eu!

Conclusão:
Meu corpo rejeita tudo o que não é meu porque a cândida albicans de imediato se aproveita.

Meu caso foi estudado durante algum tempo por especialistas do Hospital Particular de Lisboa e Médicos do Hospital de Faro, sem que se chegasse a qualquer conclusão concreta. Cheguei a estar em coma no primeiro parto.

Ainda muito jovem, passei a fazer crises de sinusite, cada dia mais graves. O meu médico de família, enchiam-me de antibióticos e anti-inflamatórios, corticoides e outros. Comecei a fazer bronquites e faringites... depois um dia, o dia em que meu ginecologista me resolveu operar aos ovários e útero... definitivamente foi o caos. Fiquei infectada, sofri horrores ninguém sabia o que eu tinha e para ajudar no mesmo ano fui operada à sinusite na expectativa e pura ignorância dos grandes especialistas que temos.

A situação piorou, minhas defesas estavam a zero, fiz infecções de vários níveis, apanhei bactérias. Ouvido, nariz faringe, estômago e intestinos. Dores musculares e articulares, tremores nas pernas, visão turva, feridas nas mãos, cansaço crónico, diarreia, hipoglicémias constantes.
Sinceramente nem sei que mais... e fome, muita fome, levantava-me de noite para comer não dormia minha barriga fazia uns ruídos que só comendo parava, dores no peito, perdia peso como o ganhava, queria respirar e não podia. Diagnosticaram-me tantas doenças que preciso de um catálogo para enumerá-las.

Rinite crónica, e faringite crónica, bronquite asmática, as dores articulares eram artrite reumatóide, e finalmente como não havia mais nada foi a Fibromialgia.

Valeu-me a minha vontade de viver e o meu raciocínio lógico. Sabia que manter a cabeça fria e um raciocínio claro poderia e seria a única forma de me ajudar porém o cansaço era meu inimigo. Agora tinha de encontrar os médicos certos e à altura do meu problema.

Ainda fazia muita falta no mundo, pelo menos para alguns... para outros eu estava paranóica e a dar chatice. A esses fiz uma cruz... para que precisava eu dessa gente ignorante e inútil?
Hoje longe de estar bem, e ainda com muitas recaídas, sei que foi a bendita cândida albicans a causadora de todos ou quase todos os meus problemas.

Sempre me senti mal em ambientes quentes e húmidos mas normalmente vivi em clima seco, tudo se complicou quando fui viver para Cascais, e justo quando tive de ser operada. A casa era húmida e rodeada por árvores... é então que descubro que sou alérgica aos fungos e em especial à cândida albicans.

Sobre o que escrevo aqui, deixo algumas provas de pesquisas que fiz na net:

Endoftalmite por Candida albicans após transplante penetrante de córnea: relato de caso

Author(s): Godoy Glaucio de, Wahab Sâmia Ali, Lima Ana Luí­sa Höfling de, Moreira Hamilton
Keywords: Endoftalmite/quimioterapia, Infecçíµes oculares fúngicas, Córnea/microbiologia, Candida albicans, Ceratoplastia penetrante, Ciclosporina/uso terapêutico, Candidí­ase
Journal: Arquivos Brasileiros de Oftalmologia
Year: 2004
Full text: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27492004000200030
Publisher: Conselho Brasileiro de Oftalmologia
Abstract: Os autores relatam o caso de uma paciente submetida a transplante penetrante de córnea por ceratocone que evoluiu com resposta inflamatória exacerbada durante o perí­odo pós-operatório, suspeitando-se, inicialmente, de rejeição atí­pica e intensa ao botão doador. Houve perí­odos de melhora, seguidos por perí­odos de piora a cada tentativa de se reduzir o corticóide tópico. Iniciou-se terapia imunossupressora com ciclosporina via oral e altas doses de corticóide tópico, porém, a paciente desenvolveu endoftalmite por Candida albicans com acometimento do segmento anterior do olho e do corpo ví­treo, mas sem surgimento de lesíµes coriorretinianas. Evoluiu de forma satisfatória após três injeções de anfotericina B 5µg intraví­trea, cetoconazol 400 mg/dia via oral e clotrimazol tópico de 4/4 horas. Os autores discutem também as principais possibilidades de contaminação da paciente, sendo o quadro infeccioso provavelmente relacionado ao procedimento cirúrgico.


http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=proteses+dentarias+e+candida+albicans&b


(Vejam o que refiro sobre pontes ou qualquer tipo de próteses)

4 comentários:

Anónimo disse...

Olá Conceição!
Como é que descobriu que todos os seus problemas eram devidos à cândida albicans?
Pergunto-lhe, porque sofro de crises a nível vaginal e já fui a vários ginecologistas e nunca dão demasiada importância ao assunto e ando em busca de alguém que possa descobrir qual o verdadeiro causador do problema, já que tenho imensos cuidados a nível da alimentação (evitar açucar, batata, entre outras coisas) e de descanço.

Anónimo disse...

Olá Conceição queria perguntar-lhe com tratou a cândida albicans.
Após uma cirurgia recente tive uma reacção ao antibiótico que foi diagnosticada como cândida albicans.
Percebo agora, após alguma pesquisa, que de facto é um problema que tenho há já alguns, bastantes, anos.

Não sei a quem recorrer, em geral os médicos menosprezam este factor.

Conceição Ramos disse...

Lamento só responder a esta pergunta agora mas eu não vi os comentários antes.
Eu passava mal, mas tal como vocês nunca me deram uma explicação lógica, até a coisa se agravar de tal maneira que eu nunca mais parei de fazer exames, percorrer médicos e quase todas as especialidades. Tal como com vocês, ficavam todos fazer-me sentir estúpida. Porém, como sei que não sou e talvez seja bem mais inteligente que muitos deles, aproveitei os meus conhecimentos aliado á minha experiência(muita),de andar e no meio deles por duas razões. Uma é lógica, comecei muito cedo a ter de lutar pela minha vida. Essa é a maior experiência só igualada a quem por ela passar.Outra é o facto de ter estudado o corpo humano com médicos e toda uma vida me actualizando,trabalhando nele, acompanhando de perto o corpo dos meus clientes e das pessoas ao longo destes anos, em que se vêm agravando as alergias a cada dia, quer respiratórias, quer de pele, quer alimentares.
Na verdade travei foi uma dura batalha com os médicos, que acham que sabem tudo e é mentira...
Têm mesmo muito que aprender, e terão de estudar sempre. As coisas não se resumem ao corpo, tem todo um meio ambiente sofrendo alterações com elas vem as novas doenças, como tal nunca se pode menosprezar as queixas de um doente.
Este problema não é novo, só está se agravando derivado ao meio ambiente, e ás alterações climatéricas, por isso os médico não sabem como agir. Não são Deus e não aprofundarem pesquisas nesta área, os antibióticos fizeram o resto do trabalho, eles curam e matam. Matam principalmente as nossas defesas e durante anos foram usados a torto e a direito. Para quem não sabe a carne que comemos todos os dias está cheia de antibióticos, tal como o leito. Porquê? Para os bichos não adoecerem. Mas pensem bem! Uma doença quando não é conhecida, não é considerada doença, por isso não tem comparticipações de medicamentos nem podemos ir para a reforma por doença. No agravamento das alergias surgem, as infecções

Conceição Ramos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.